sábado, 27 de novembro de 2010

mais uma da serie quando não há nada para fazer escrevo:

Não sei o quanto esperar, talvez em alguma hora vai passar.Em inércia viajaremos na positividade esperando uma possibilidade de ainda existir o amor.
Quero ser poeta, quero ser cantor, mas só choro por amor.Sem ingenuidade e pudor somente você traz a dor, e na espiral do ser, com o mais puro enrolar dos olhares me diz que são inversas nossas polaridades.

autor: Rafael Holanda de Brito

Nenhum comentário:

Postar um comentário